22 de julho de 2011

Arte de sonhar, hoje quando acordei olhei a vida e me espantei com mil perguntas sem respostas.

Hoje eu posso ser a vilã, mas também posso ser a mocinha. Posso ser a fria, mas também posso ser a sentimental. A mais chata, mas também posso ser a mais legal. Posso ser a ignorante, mas posso ser também a generosa. Independente do que você quiser que eu seja, vou sempre ser eu mesma. E sabe de uma coisa? Posso ser muito feliz assim. Nós Temos o péssimo hábito de elimina às coisas difíceis da nossa vida. Você acha certo, julgar alguém sem antes ter convivido ou passado pela mesma situação que ela.
Em nenhum momento paramos para observar e tentar da um pouco de nos para resolver, ou finalizar aquilo que começamos a fazer. Sempre a primeira análise que temos de alguém já saímos achando que temos o direito de julgar quem nunca conhecemos de verdade.
Reflita um pouco: Você é um tipo de pessoa assim?
Atrás das mascaras de ferro sempre pode haver algo muito belo.

À sua falta de sensibilidade pode está fazendo com que você perca algo importante a cada dia.
Todos nós de alguma forma necessitamos aprender com o nosso próximo é assim que funciona a “cadeia dos seres humano” as trocas de informações são necessárias.
Da mesma forma que julgamos alguém sem conhecê-las nós criamos as expectativas que muitas das vezes saímos frustrados da situação
Existe uma diferença bem considerável entre sonhar e criar expectativas.

Terminei de ler um livro muito interessante. O livro fala bastante sobre o modo como vivemos, como nos relacionamos com os outros ao nosso redor, porque sofremos e até mesmo como nos relacionamos com Deus. Porém, as últimas páginas do livro me fizeram pensar bastante sobre um sentimento nativo nas pessoas que, após minutos coçando a cabeça tentando lembrar quando esse sentimento trouxe algum benefício para mim, desisti. Não estou me referindo ao orgulho, inveja ou qualquer outra coisa de sentimento que carregamos conosco e que só servem para Atrapalhar nossas vidas. Estou me referindo à expectativa e a falta de respeito com o próximo.

Esses dias uma paciente comentou comigo:
Que tinha marcado um jantar com o namorado, esperando que durante o jantar eles tivessem uma conversa adorável, carinhosa, focada em seus planos enquanto casal. Por sua vez eu, lembre-me desse mesmo programa que fiz com o meu namorado e que a noite tinha acabado em sexo escaldante! Durante o jantar ele só pensava no que ia suceder a seguir, e não me deu atenção nenhuma! Quis comer a correr, sempre cheio de pressa… e eu não entendi o que se estava a passar, achei que ele não estava a fim de estar comigo! Sentindo-me desiludida com o jantar, resolvi ir para casa sozinha, ver um filme para ver se animava… no dia a seguir tivemos uma conversa e chegamos á conclusão de que cada um viu o jantar de uma forma diferente, eu como uma forma de conviver amorosamente com ele, e ele, como um pretexto para ter uma noite escaldante

Foi ai que deu para observa que a expectativa tanto minha como a dele eram completamente diferentes. Pois bem o que aconteceu naquela noite foi que cada um criou uma ilusão, uma imagem que não se concretizou e que dessa forma gerou naquela noite uma tremenda desilusão!...
Passei a noite toda me questionado será que isso é tão mau? Afinal fomos desiludidos tinha quebrado uma imagem que nos prendia ao surreal, ou ao irreal, uma ficção criada por nós em um determinado espaço que abriram os nossos olhos será que isso não seja bom!
Mas será porque é que todas as vezes que eu me sinto desiludida por qualquer coisa eu me sinto mal?
Fiquei me perguntando aquela noite porque não agradeci a esse algo pelo facto de ter aberto os meus olhos de ter me acordado de um sonho de algo que não era real!

Conclusão:
Sempre temos tendência para julgar tudo o que vemos, criando uma imagem! Analisamos tudo com o intuito de ver que beneficio podemos retirar disso, e como! E esses beneficiam tem a ver com o mundo que criamos dentro da nossa mente! Com as ilusões que criamos!
A partir do momento em que tentamos manipular as coisas para saírem da forma que nós queremos já estragamos tudo! Já criamos uma imagem, um plano, de como esperamos que as coisas acontecessem! Então ai já criamos desilusão e frustração para nós!
Nem tudo estará perdido se abrimos a nossa mente para as novas possibilidades, a ilusão com certeza ira desaparece junto com a expectativa, pois não podemos iludir ou criar expectativas quando estamos com a nossa postura de simplesmente observa o rumo que a nossa vida está tomando.
O importante aqui é que devemos apreciar o desenrolar de cada situação ter a mente aberta para o novo e procurar sempre as formas mais práticas para torna nossas vidas mais fácil Só desse jeito que não haverá como sentimos mal, pois não estamos esperando nada de ninguém!

Uma ótima noite♥♥♥!!!

17 de julho de 2011

Diante do perigo é necessário ter tranqüilidade e criatividade.

Havia uma cachorrinha de nome bela. A dona dela levou-a para passear na floresta. Ela se afastou da sua dona e foi para o mato e começou a comer um osso. De repente, ela percebeu que uma onça se aproximava para devorá-la. Ela fingiu que não viu e quando a onça estava perto falou para a onça ouvir: que onça gostosa acabei de comer.


Agora vou matar outra. A onça, ao ouvir isto, ficou apavorada e foi embora.

Um macaco que estava no alto de uma árvore tudo viu e ficou com muita inveja da cachorrinha. Disse: Essa não! Eu pensava que era o animal mais esperto e agora vejo que essa cachorrinha é mais esperta que eu. Vou dar um jeito. Comportou-se literalmente como "amigo da onça". Saiu correndo atrás da onça e falou para ela que fora enganada pela cachorrinha bela. Quando a bela percebeu, a onça estava voltando com o macaco montado nela. Fingiu novamente que não viu e ficou de costa. Quando viu que a onça estava perto falou alto: Cadê esse macaco que foi buscar outra onça para eu matar e comer que não chega?

Ouvindo isso e sentindo-se enganada, a onça ficou uma fera com o macaco e o matou e o comeu.

E a bela fugiu, voltando para os braços da sua dona.

Conclusão:

1) Diante do perigo é necessário ter tranqüilidade e criatividade. Com tranqüilidade

(controle emocional) procurar uma saída criativa;

2) O invejoso quer ser esperto, mas, termina por se dar mal!

Podemos brincar com nossos corpos, mas jamais com nossas emoções. Até porque Você é portador de um vírus chamado!... O amor...
 Uma ótima segunda feira para todos bjs bem apetitosos!!!!...