14 de novembro de 2011

O efeito Kamikaze. Vir o mundo de cabeça pra baixo.


Eu sou uma moldura clara e bem simples amore. E por incrível que pareça hoje eu só quero escrever uma carta, não muito longa. Mais na verdade ela deveria ser longa “sim” já que o assunto que quero abordar é de grande importância para o nosso bom entendimento.

Estive pensando novamente esses dias sobre trabalho, realização, vontades, vocações, confusões, encontros, desencontros, achados, perdidos e semi encontrados na multidão. Alguns erros de caligrafia, erros no caminho, esquerdas duvidosas e direitas rápidas demais. Daí então pensei em algo realmente significante, algo real, como uma árvore, daquelas de

Galhos grossos e profundas raízes duras, que não levam a lugar nenhum, só ao mesmo lugar, uma retroalimentação eterna da própria vida; e também pensei no vento, de suas voltas e suas revoluções, pensei em quem as carregas e que os impede quem os faz frio ou quente. Lembrei-me das pessoas e das verdades reveladas que elas contam, das mentiram que elas acreditam e nas verdades em que elas se seguram. Nas falsidades e mentiras, nas desigualdades e nas verdades históricas de que tão mentiradas se tornaram secas verdades, promíscuas. Mas então decidi lembrar-se da linha da vida, voltar pro fluxo que temos aqueles nos leva ao fim sem sentirmos, com vento seco e quente e vai levando na lábia, doce e de lado por toda a vida.

Ai então foi busca em meu passado incompreensível rompimento familiar, bom na verdade não é meu exatamente, mas sim dos meus antepassados. Quem nunca teve uma parcela familiar perdida na história estou citando meus antepassados para ilustrar a tamanha falta de criatividade do futuro e a total abstinência de ações do passado como pode tantos contos e tantos amores e tantas fagulhas se repetirem e se acabar drasticamente. Será quantos raios pode cair no mesmo lugar ou quantos erros serão necessários para deixamos de repeti numerosamente os erros do passado até nos cansarmos? Perguntas como essas me afligem incessantemente; seria, Como uma serpentina de desesperos, e angustia que domina todos os sonhos mal dormidos. É como sempre digo: faça do teu gosto o teu gosto a tua força a tua força e o teu futuro o teu passado porque tudo será diferentemente igual em qualquer parte do mundo. Até porque a massa sempre será a mesma e tua força individual ainda reinara, pelo menos interiormente. Ou seja, a tua estrutura depende da virgindade dos teus segredos mais profundos, esse que sem sombra de duvida ocupar todos os lugares vagos do teu sepulcro intimo que são representando pelas ideias do teu espaço infinito puro e único da criatividade.

Minha moldura ta um pouco confusa, eu sei bem, até porque é um efeito Kamikaze.
Se deixar sempre tem o seu endereço certo feito às cartas...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo ao meu cantinho.Regras para comentários
1. Comentários postados sem nome não serão mostrados.

2. Comentários com perfis sem acesso ao público também não serão mostrados.

3. Comentários ofensivos não serão mostrados. Ninguém é obrigado a permitir falta de educação.

4. Se você sofre de analfabetismo funcional, então nem leia os textos, pois com certeza não vai entender o que está escrito e seus comentários não serão de acordo com o assunto.

5. Resumindo: se quiser debater e discordar de mim, esteja à vontade. Mas peço gentilmente que seja um debate civilizado. E se você não tem coragem de mostrar quem é, melhor ficar no anonimato e procurar outro blog.

6. A sua liberdade termina onde começa a minha, certo? Se não, qualquer um faria o que desse na cabeça. Assim como cada um deve respeitar o dono da casa ou a soberania de um país, aqui você deve agir da mesma forma.! Ok
OBS: Se seu comentário não foi publicado é porque você não conseguiu adoça o meu cantinho. Não alimente a derrota continue tentando.